Claudio Space

Por que viver é aprender!

Posts Tagged ‘certificação’

Desvendando a Certificação COBIT 4.1

Posted by CLAUDIO ALVES em 03/11/2011

Este ano (2011) obtive a certificação ITIL V3 Foundation, agora começa uma nova jornada em busca do mesmo título para o COBIT 4.1 (quero tirar em Jan ou Fev 2012). Mas como trata-se de uma certificação internacional, sempre surgem dúvidas, pesquisei na internet, tirei várias dúvidas, e deixo-as disponíveis para quem decidir fazer, já possa esclarecer.

1) O Cobit é como a ITIL (sem prazo de validade)? Ou o profissional tem que atualizá-la de tempos em tempos?

Não tem prazo, mas…. O sei certificado sempre será Cobit 4.1(a versão mais atual até o momento). Se surgirem outras versões, a 5 por exemplo que está para sair, terá que estudar tudo novamente e fazer a prova.

2) Como fazer para se certificar? É necessário treinamento ou, assim como na ITIL, basta estudar e prestar o exame para conseguir o nível foundation?

O Cobit só tem o nível Foundation. Você não precisa fazer cursos oficiais para prestar o exame.  Você pode fazer o download do material no site da ISACA http://www.isaca.org/Knowledge-Center/cobit/Documents/CobiT_4.1.pdf, estudar e fazer a prova.  Há bons cursos on-line também que podem ajudar neste processo.

3) Quanto custa ($) a certificação mínima?

O preço do exame é U$ 150,00 dólares. Mais “barata” que a do ITIL que é U$ 174,00 dólares.

4) Onde eu posso realizar as provas?

É uma das diferenças entre a prova do COBIT e da ITIL. A prova do Cobit você faz on-line. On-line? Isso mesmo! Você marca sua prova no site do ISACA https://www.isaca.org/ecommerce/Pages/vCampusLogin.aspx?returnurl=/ecommerce/Pages/ProcessLogin.aspx?vt=2,  pelo ISACA não há necessidade de um Proctor (Fiscal), basta sentar na frente do computador e fazer. A prova pode ser feita até 60 dias depois da confirmação da  inscrição.

5) Quais os detalhes da prova? (múltipla escolha?, número de questões, porcentagem para aprovação)

Você tem 60 minutos para responder 40 questões. Todas são de múltipla escolha. Já há provas totalmente em Português. Para passar no exame, você precisa acertar 28 questões de 40, ou seja 70%. É preciso estudar a introdução e o sumário executivo para pegar bem os conceitos. Os processos principais a serem estudados são o PO10 e DS02. O restante dos processos, é necessário saber para que servem e os objetivos.

Este post foi baseado em outro post do site Governança de TI, adaptado com informações mais atualizadas.

Posted in Cobit | Etiquetado: , , , , , , | Leave a Comment »

Entenda o Modelo ITIL V3

Posted by CLAUDIO ALVES em 20/07/2011

Estudo  ITIL® há algum e tive a honra de obter a certificação, é válido afirmar que ele pode ajudar muito na vida corporativa, Segue abaixo um resumo das 5 cabeças do bicho “ITIL®”. O principal objetivo destas melhores práticas é entregar VALOR em forma de SERVIÇOS ao cliente.

ITIL Diagram

Estratégia: É aqui onde tudo começa…

Quando pequenos, geralmente nos perguntam o que queremos ser quando crescermos. A partir daí começamos a definir nossa vida, ou pelo menos termos uma noção, uma META.

O tempo passa e amadurecemos mais, e ás vezes mudamos nossos OBJETIVOS, e também montamos nossa estratégia, como fazer para chegar lá, o que skills devemos desenvolver para que nosso portfólio de serviços esteja a altura quando surgir a demanda do emprego que esperávamos.

  • Gerenciamento Financeiro (qual custo e quanto vou cobrar?)
  • Gerenciamento Portfílio (Funil – ainda em produção | Catálogo – serviços disponíveis | Serviços retirados)
  • Gerenciamento da Demanda

Desenho: Pronto! Estratégia definida, vamos desenhá-la.

Para eu ser um advogado quanto tempo eu tenho para estudar e passar no exame de ordem? Já formado trabalharei para uma empresa ou abrirei meu próprio escritório? Quantos clientes atenderei por vez? Por quanto tempo quero ser advogado? Em quanto tempo fecharei um processo? Terei um sócio?

Este é o mais longo, porém completo, afinal, a execução depende dele, os seus processos são:

  • Gerenc. Nivel Serviço – Quantidade Serviço (vide imagem 1 abaixo);
  • Gerenc. Capacidade – O que tenho pra atender a demanda? (Negocio/Serviço/Componentes);
  • Gerenc. Disponibilidade – Otimizar a capacidade (usuário sente);
  • Gerenc. Continuidade – Desastre, continuidade, impacto, escopo e riscos;
  • Gerenc. Segurança – Confidencialidade, integralidade, disponibilidade, nível de segurança;
  • Gerenc. Fornecedor – Controlar para fornecer com qualidade, estratégias de entrega;
  • Gerenc. Catálogo de Serviços – Detalhes do serviço (Negócios/Técnicos);
Figura 1

Transição: Pare de falar e comece a fazer!

Essa é a hora do Hands on, onde vamos colocar nossos conhecimentos na prática e agregar mais valor as nossas atividades. Muitas coisas que deixamos de fora de nosso portfólio terão que ser acrescentadas (novos conceitos, padrões, leis e etc.), teremos que fazer todo o gerenciamento de ativos, mudanças, configurações, riscos e principalmente a qualidade dos serviços prestados. Muitas vezes alinhando diversas boas práticas do mercado, para que possamos chegar a nossa META.

  • Gerenc. Conhecimento – reduzir necessidade de redescubrir conhecimento (Dados – Informação – Conhceimento – Sabedoria);
  • Gerenc. Configuração de Ativos – O que eu uso para oferecer serviços – BDCG (relaciona IC’s);
  • Gerenc. Mudanças – Serviço novo é mudança (recebe – aprova ou não – acompanha);
  • Gerenc. Liberação – Mão na massa;
  • Gerenc. Validação e Testes – É preciso estar seguro do que faz.

Operação: Marche!

É nessa hora que colocaremos pontos de apoio em nossas vidas, como uma secretária para atender nossas ligações e direcionar somente assuntos importantes, ou mesmo usando o exemplo do médico tomaremos vitamina C todos os dias para que não fiquemos doentes ao final de uma consulta.

Aqui tudo que iremos fazer é em prol de uma continuidade de nossos serviços, com a mesma qualidade e agilidade que desenhamos mediante a nossa estratégia ou META.

  • Gerenc. Incidentes – Interrupção não planejada ou redução da qualidade, deve restaurar serviço o mais rápido possível;
  • Gerenc. Problemas – Causa raiz do problema para resolver de uma vez por todas (proativo/reativo);
  • Gerenc. Requisições;
  • Gerenc. Acesso.

Melhoria Contínua: O céu é o limite…

Agora que já temos nossa carreira em alta e somos reconhecidos pelo valor que agregamos as empresas que nos contrataram temos que melhorar. Aqui iremos rever todos nossos conceitos a fim de identificarmos pequenos gaps e incluirmos correções, melhorias e conceitos de boas práticas. O conceito PDCA é o melhor caminho para o sucesso dessa fase vendo que já alcançamos a nossa META agora temos que mantê-la.

  • Gerenc. Nivel Serviço – monitorar, avaliar e melhorar;
  • Medição e relatórios;
  • Melhoria Contínua.

Creio que com esse simples e pequenos texto pude ajudar sua compreensão sobre o ITIL® v3 e seus 5 livros.

Com adaptações de tiespecialistas.

Posted in ITIL, TECNOLOGIA | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

Certificação ou faculdade?

Posted by CLAUDIO ALVES em 25/04/2011

Artigo para reflexão sobre carreira profissional, retirado do site iMasters, e escrito por Fabiano de Santana. Apreciem a leitura abaixo na íntegra.

O objetivo desse artigo não é responder à pergunta do tema, uma vez que não existe apenas uma resposta para essa questão. Queremos apenas ampliar a visão sobre qual a melhor opção para cada caso.

Hoje em dia, uma das grandes dúvidas que os iniciantes da área de TI carregam com si por um longo tempo é a seguinte:

Faculdade ou Certificação? Qual a melhor opção?

Isso é fato, e todos já sabem: o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo. As empresas exigem cada vez mais de seus funcionários. O profissional de hoje em dia deve ser flexível, estar adaptado a mudanças, saber parar no meio de uma tarefa e iniciar outra. Ser paciente com seus amigos de trabalho, educado. Ou seja, levar harmonia para o ambiente empresarial. Esses e muitos outros fatores são de extrema importância para um profissional, independente de sua área. E com certeza esses fatores são um dos primeiros a serem analisados por uma empresa durante a contratação de um funcionário.

Lógico que essas qualidades estão relacionadas com a personalidade de cada um. Nem todos possuem todas elas, porém possuem outras. O ponto chave é colocar em prática, dar a devida utilidade às qualidades que se tem.

Além da personalidade, outro ponto fundamental para um profissional é sua experiência prática. Existem alguns tipos de profissionais, vejamos alguns:

  • Profissional com muita experiência prática em seu ramo, porém sem universidade e sem certificação.
  • Profissional com muita experiência prática em seu ramo, formado em uma universidade e sem uma grande certificação.
  • Profissional com muita experiência prática em seu ramo, formado em uma universidade e com uma grande certificação.
  • Profissional sem muita experiência prática em seu ramo, porém formado em uma universidade e com uma grande certificação.

Qual seria o perfil ideal? Profissional formado em uma universidade? Ou profissional com uma bela certificação, como MCSE, CCNE, etc.? Ou uma combinação entre universidade, certificação e experiência?

Não tenham dúvidas, a combinação citada acima (universidade, certificação e experiência) é a combinação ideal hoje em dia.

Como citado anteriormente, o mercado de trabalho necessita de profissionais completos, com vasta experiência em sua área e uma bela formação. Além disso, paciência, inteligência, coragem, esforço, harmonia, etc. devem estar presentes na personalidade dos profissionais.

Mas para quem está iniciando não é tão simples assim. Uma faculdade dura cerca de 4 anos; para obter uma certificação MCSE, iniciando do zero, ou seja, fazendo treinamentos, estudando bem para os exames, um ano e meio é suficiente.

Aí surge a grande dúvida: “o que fazer primeiro?” Essa é uma pergunta extremamente complicada de ser respondida. Mesmo com 10 anos de experiência, formado em Análise de Sistemas e com as certificações MVP, MCP, MCSA e MCSE, não tenho uma conclusão do que realmente seja melhor. Sempre que me perguntam sobre esse tema, respondo o seguinte: “você deve fazer o que achar melhor, pense por si mesmo e decida”.

Não existe fórmula, e depende de caso para caso. Se você precisar de um emprego rapidamente, com certeza a certificação seria uma boa opção. Agora, se você deseja uma formação mais sólida, e o emprego não é prioridade, a faculdade seria a melhor opção.

Agora, para quem tiver condições, o ideal seria fazer a faculdade e ao mesmo tempo se preparar para a certificação. Não é uma tarefa fácil, pois geralmente quem faz faculdade trabalha o dia inteiro para “bancar” o curso, estudando à noite. Como conseguir tempo para se preparar para uma certificação? Realmente é complicado, mas nada impossível. É só querer.

No meu caso, fiz a faculdade primeiro. Após concluída, comecei me preparar para a certificação. Dedicava-me integralmente à certificação, ou seja, não trabalhava, apenas estudava para a certificação. Meu primeiro exame foi em 02/04/2004 e o sétimo exame, com o qual obtive a certificação MCSA e MCSE, foi em 26/11/2004. Ou seja, com dedicação total aos estudos para a certificação, em apenas 7 meses obtive a certificação MCSE. Não me arrependo de forma alguma, muito pelo contrário, achei essa decisão uma das mais importantes da minha vida.

Acredito que vale a pena o esforço de se dedicar integralmente aos estudos para uma boa certificação. Os resultados serão ótimos, com certeza.

Posso estar enganado, mas as faculdades estão ultrapassadas hoje em dia. A maioria dos cursos universitários não são específicos. Por exemplo, em um curso de Sistemas de Informação são ministradas matérias de redes, banco de dados, multimídia, análise de sistemas, programação, sistemas operacionais etc. Ou seja, quem faz esse curso não é especialista em nada… Ele apenas sabe um pouquinho de cada área. Aí está o problema, como é que essa pessoa vai conseguir um bom emprego? Podemos ir mais longe, em qual área ela vai procurar um emprego? Redes? Programação? Internet?

Entre as empresas existe algo chamado “Mente Coletiva”. Ou seja, um bom profissional obrigatoriamente deve ser formado em uma universidade. Quem disse isso? De onde surgiu isso? Ou seja, a grande maioria simplesmente faz uma faculdade sem saber o porquê. Fazem porque as empresas só contratam quem tem um curso superior. Um profissional com experiência, certificação MCSE, com uma personalidade boa, tem um salário até 10 vezes maior do que um profissional que possui apenas uma faculdade.

É preciso coragem para sair dessa “Mente Coletiva” e fazer aquilo que realmente achamos melhor. Em nosso mundo não existem pessoas iguais, todos são diferentes. Portanto, cada um tem que tomar suas decisões, por si próprio. Ou seja, ampliar o entendimento de que muitas vezes tomamos decisões que não partiram de dentro de nós mesmos.

Vejam que nosso mundo não é simples. Por isso eu torno a dizer: façam aquilo que acharem melhor, e não aquilo que os outros acham melhor.

Até a próxima.

Posted in Curriculum, DICAS E CURSOS, FACULDADE, TECNOLOGIA | Etiquetado: , | Leave a Comment »